E A C O E L H O

UM PRETENSO POETA

Textos

CLANDESTINO



Sou sim um clandestino,
Vivo alheio de todo redor,
Envolto nos versos dos meus poemas,
Que são desconhecidos, quase abstratos,
Só reconhecidos pela minha intimidade.

Sou sempre um clandestino,
Mesmo quem vive o meu paralelo,
Desconhece a realidade da minha lida,
Ignora meus destinos,
E se confunde na farsa das aparências.

Meus poemas são clandestinos,
Sobrevivem à margem da formalidade,
Só expressam a complexidade do meu inconformismo,
E assim passam desapercebidos, clandestinamente.


 
EACoelho
Enviado por EACoelho em 07/01/2017
Alterado em 08/01/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras